sexta-feira, 22 de abril de 2011

Um sonho, uma esperança e um desejo do coração [2]

O jantar transcorreu como sempre: a Rainha contando sobre seu dia no serviço, como a chefe dela é uma chata exigente e quantas saudades ela sentia da época em que era funcionaria de outra empresa, enquanto o Rei ria na sua felicidade simples, até que chegava o ponto alto da noite: Sobremesa. E a vez da pequena princesa falar, é claro. E a Pequenina contou sobre o dia dela na escola, e mostrou seu boletim com notas altas (Orgulho pros pais é claro).
“Hahaha, princesa querida, eu sempre disse que você tinha puxado a inteligência da sua mãe e não só a beleza, mas sua mãe teima que não é verdade.” Disse o Rei.
“Isso não é verdade meu Rei (pelo jeito já tinha virado uma piada interna da família a nobreza do sangue), eu disse, como sempre te disse, que ela tinha puxado a minha inteligência e a sua magreza real e habilidade esportiva.”
Risos, altos e estranhos, risos normais de uma família normal e feliz, que preenche uma casa, junto com o cheiro de café caseiro. Essa é a cena que o enche de orgulho e felicidade, é esse o motivo dele querer estar perto da família todos os dias. Ainda mais depois de tudo pelo que eles passaram.
“Papai e Rei, você prometeu me contar a história de vocês, lembra?” Inquiriu a pequenina.
“Ó, mas é claro minha querida princesa, escove os dentes e ponha o pijama,nos encontramos no seu quarto para a história real dessa família”. Uma piscada calma para a filha, que saiu correndo para o banheiro gritando “Ebaaaaaaa”.
“Bom meu Rei, vou para a nossa suíte real enquanto você conversa com a nossa pequena princesa, te espero amor meu.” Disse a esposa com um sorriso de duplas intenções.
Bom, acho que é hora de ir para o quarto da princesa, pensou nosso Rei. Terminou de tirar a mesa e lavar a louça, foi ao seu quarto e se trocou, enquanto olhava para a sua esposa lendo, um dos momentos em que ela estava mais linda para ele. A forma como ela focava sua atenção se esquecendo do mundo ao redor, as rugas de concentração na testa, Deus como ela é linda. Ele se aproximou furtivamente e beijou a Rainha, enquanto com um sorriso foi se afastando em direção a porta. A Rainha disse algo que causou um riso alto no Rei.
Ainda rindo ele entrou no quarto da filha, ela já estava preparada embaixo dos lençóis com um espaço para o pai se sentar ao seu lado.
“Ok querida, vamos começar a história do nosso clã. E como todo conto de fadas esse começa com:
Era uma vez...”